“Honestidade é um presente caro, não espere isso de pessoas baratas”

Notícias demostram o quanto alguns indivíduos aproveitam as brechas no(s) sistema(s) para ganhar fácil e lucrar com aquilo que deveria ser de todos – como se a corrupção fosse o único caminho a seguir e um comportamento natural. E não só isso: reforçam a ideia de que o caminho que todos devem tomar é realmente o das facilidades, especialmente porque a justiça não é feita nestas situações. Nós olhamos para o que nos é narrado com perplexidade: como pessoas podem cometer tais atos e ainda assim, ficar “livres”? Mas ainda devemos acreditar. Acreditar na justiça… em uma sociedade melhor… na melhora da vida… acreditar no futuro.

Acreditar no futuro é uma característica que nos diferencia das demais espécies, nos permitindo olhar nossa vida como um desenho inacabado que precisa de novos traços e de novas cores. Futuro, quando envolvemos o assunto honestidade, entra em descrédito… como uma estrela no mais alto céu: sabemos que ela existe, conseguimos até ver uma pequena ponta de luz, mas é impossível distinguir sua forma… ou vê-la de mais perto. Honestidade tornou-se uma qualidade cada vez mais rara de percebemos em nossas relações, como se apenas pessoas extraordinárias tivessem a capacidade de praticá-la. Claro que não!

A honestidade se torna bela porque reflete a identidade das pessoas que assumem a responsabilidade por suas próprias decisões. Detalhe: essas decisões não são individualistas, mas envolve o bem comum. Stephen Covey provoca ao afirmar “eu não sou produto de minhas circunstâncias. Sou um produto de minhas decisões”. Logo, é coerente dizer que as circunstâncias por si sós não interferem em agirmos com honestidade, e que a ideia de certo e errado molda nossas decisões – o que acaba esculpindo nosso caráter. Costumo dizer para meus alunos que reputação (o resultado de nossas decisões) não é o que os outros falam de nós, mas o que demonstramos em nossas ações e a repercussão disso entre as pessoas que conhecemos – e até desconhecidas. Ou seja: aquilo que faço é o que verdadeiramente me define.

Inevitável falar no futuro novamente. Nem sempre andamos entre nossos iguais quando o assunto é honestidade e a realidade se mostra com poucas esperanças. Contudo, acredito que amadurecemos, mesmo a passos lentos, e enquanto sociedade, estamos mudando a maneira como pensamos e fazemos nossas atividades, e como criamos relações. A frase que dá título ao texto é de Warren Buffett, investidor americano e listado como um dos homens mais ricos do mundo – alguém que teoricamente não teria problemas financeiros, e que possivelmente tudo é barato. No entanto, mais do que dinheiro, uma pessoa desonesta, para Buffett, perde algo que dificilmente se recupera: credibilidade.

Espero que você seja uma pessoa cara… e aprenda a não esperar a honestidade de pessoas baratas. Experiência própria.

Paz e bem.

Por Ricardo Verçoza – Professor, Administrador e futuro Jornalista.

Instagram: ricardo.vercoza

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s